A área de Recursos Humanos, desde o seu surgimento até pouco tempo atrás, atuava de maneira mecanicista, baseada no controle centralizado e na obrigação dos empregados unicamente na execução das tarefas em obediência ao chefe.

Na década de 70, porém, a teoria das relações humanas já havia sido substituída pela comportamental, onde os processos mais humanísticos e o foco no espaço organizacional se tornaram fundamentais.

Sendo assim, podemos dizer que o RH, ainda que um segmento considerado por muitos como tradicionalista, vem evoluindo de forma que estratégia passou a ser o que mais importa, pois em tudo que o profissional de RH faz hoje, é exigido que a palavra esteja em sua mente.

Ocorre que as relações também se modificaram à medida que novas tendências se estabeleceram no mercado e, assim, as demandas do RH se transformaram e se multiplicaram.

Demandas relacionadas ao desenvolvimento humano, aos benefícios, ao gerenciamento e à gestão de pessoas passaram a compor o cotidiano deste setor, exigindo maior tempo de dedicação e maior qualificação dos profissionais que ali atuam.

A tecnologia avançou e transformou os processos de forma irreversível.

O que em outros tempos rendia calhamaços de fichas, papéis, planilhas, documentos e formulários, agora se resume a dados dentro de softwares inteligentes que são capazes de agilizar não apenas seleção de perfis de candidatos e gerenciamento de preparo de pagamento, como ainda análises comportamentais e de competências, recrutamento, entre outros.

Na Luandre –Soluções em Recursos Humanos, relata um dos sócios que descia até o orelhão (telefone público) com uma pilha de fichas para fazer a convocação de candidatos. Hoje imaginar algo assim já se tornou um tanto difícil, visto que parece fazer parte de um universo muito distante do nosso.

Surge o eSocial e a nova Carteira de Trabalho

Paralelo a isso, nos deparamos recentemente com a implantação do eSocial, ambiente digital que armazena todas as informações trabalhistas dos colaboradores das empresas do país. Uma maneira inteligente elaborada pelo governo para garantir os direitos previdenciários e trabalhistas, bem como o cumprimento das obrigações dos empregadores.

A nova carteira de trabalho digital é também uma inovação que já está disponível para os cidadãos através de um aplicativo de celular, e permitirá a agilidade na solicitação do documento, além do acesso à informação de qualificação civil e de contratos de trabalho através da integração de diversos bancos de dados do governo federal. É a esfera pública absorvendo a tecnologia para aprimorar a qualidade das relações de trabalho.

Como é na prática do RH

Tratando de modernização tecnológica, a Luandre se atualizou de forma a direcionar atenção aos atendimentos on-line e estabelecer automatização de tarefas antes repetitivas, características do RH tradicional, permitindo muito maior agilidade e menor uso de pessoal no atendimento das inúmeras demandas cotidianas do setor.

Um exemplo interessante oferecido pela empresa é o Fast RH, um sistema inovador que gerencia todas as etapas do processo de administração e movimentação de funcionários, incluindo desde a abertura de vagas até o programa de recolocação profissional.

Os Recursos Humanos hoje funcionam mais como um departamento estratégico e uma inteligência dentro da organização, se diferenciando bastante do antigo departamento de pessoal, sistemático e mecanicista.

A modernidade e a tecnologia já trouxeram diversas novidades e a tendência é que sigam neste rumo, talvez permitindo num futuro próximo que o próprio funcionário consiga gerenciar sua produtividade e performance, acessando feedbacks quase simultâneos com o tempo real.

Assim sendo, até mesmo uma ambiente organizacional onde hierarquias deixem de existir pode representar uma ideia não tão absurda.

São 49 anos de experiência em RH, atuando no setor para 200 das 500 maiores empresas do Brasil. Conheça um pouco mais sobre a Luandre.