Maior rede de agências de emprego do Brasil, a Luandre criou o PARP (Programa de Auxílio à Recolocação Profissional) para amparar profissionais que perderam empregos e buscam a recolocação. “O perfil deste tipo de trabalhador é bem específico, boa parte deles têm anos de experiência na mesma empresa e não se sentem preparados para voltarem ao mercado. Outra parte são bem qualificados, mas estão se deparando com um cenário adverso de excesso de pessoas procurando vagas e se sentem perdidos. É com este público que vamos atuar para tentar minimizar as perdas de empregos e buscar agilizar uma recolocação profissional”, explica Regiane Lucas, gerente da unidade Lapa da Luandre.

 

Inicialmente gratuito, uma forma de tornar o programa viável para não extrapolar a quantidade de participantes, foi oferecê-lo aos departamentos de RH de empresas que estão sendo obrigadas a demitir funcionários. As empresas recebem uma quantidade de convites e selecionam os funcionários a quem concederão o programa. “Nesta crise, muitas empresas estão tendo que desligar funcionários que jamais demitiriam, bons profissionais nos quais seus empregadores acreditam. Quando oferecemos os convites muitas empresas nos pedem mais, pois querem ver seus ex-colaboradores recolocados”, conta Lucas.

 

O programa

 

         O programa tem duas versões (operacional e executivo) e é dividido em 5 etapas. As três primeiras são realizadas em 3 dias. A 4a e a 5a etapa variam de acordo com a natureza do cargo: 3 meses para os administrativos, técnicos e operacionais e 6 meses para os cargos de liderança.

 

  • 1a etapa: análise da carreira dos profissionais.
  • 2a etapa: apresentação do programa aos profissionais e palestra motivacional.
  • 3a etapa: atendimento individual – histórico da carreira desenvolvida pelo profissional na empresa, simulações de entrevistas, orientações  comportamentais e competências a serem desenvolvidas,  acolhimento psicossocial, estratégias e ações para abordar o mercado.
  • 4a etapa: cadastro do currículo nos bancos de talentos e divulgação para rede de RH de grandes empresas atrelado ao desenvolvimento de
  • 5a etapa: acompanhamento da consultora – pessoalmente, por telefone e email. Consultora semanalmente entrará em contato com profissional, que também pode entrar em contato. Estes contatos de mão dupla são fundamentais para o sucesso do programa.

 

Resultados e efeitos do programa 

 

         Em media 30% dos que realizaram a edição piloto do PARP foram recolocados no mercado de trabalho, mesmo com o atual cenário. “Este percentual poderia ser maior, mas muitos profissionais, principalmente operacionais e técnicos, optaram por investir em um negócio próprio”, revela Regiane.

 

Por outro lado, a realização de um programa como este, ao contrario do que se possa imaginar, tem sido visto pelos profissionais com bons olhos. “Eles se sentem respeitados e devidamente orientados. Sentem que não foram simplesmente descartados pelas empresas que os demitiram, que existe uma preocupação e que sua demissão não foi uma mera escolha aleatória. Temos informações que o programa reduziu ações trabalhistas em mais de uma das empresas que participaram”, diz Regiane Lucas.

 

Na edição piloto, o projeto foi ministrado para 200 profissionais e demandado em grande parte por profissionais administrativos, enquanto os executivos o viram com ligeira desconfiança e incredulidade de resultados. O próximo PARP será realizado a partir da última semana de outubro com 80 profissionais divididos em duas turmas.