Quando se fala na contratação de profissionais, a primeira coisa que vem à mente é se o candidato possui ou não a experiência necessária para função, porém o cenário atual mostrou outras necessidades tão importantes quanto a experiência.

Neste sentido, a questão comportamental passou a ser tão importante, ou até mais, que a competência técnica, dependendo da função.

A covid-19 reforçou a convicção de que as preocupações humanas ganharam mais força. De nada adianta um bom currículo se o profissional não souber lidar com as adversidades que surgem no meio do caminho. Como foi o caso da pandemia que mudou tudo da noite para o dia. Confira como o comportamento tem ganhado mais força na seleção das empresas!

Por que o comportamento e atitude são tão valorizados?

Profissionais com menor qualificação, mas com excelentes atitudes e perfil comportamental condizentes com os valores da empresa, tendem a ter sucesso a médio / longo prazo. Em cenários incertos, atitude e perfil comportamental passaram a dizer mais sobre o que se pode esperar do candidato, além de sua experiência. E é essa necessidade de ir além que está tornando a análise nos processos seletivos menos objetiva e mais criteriosa.

Apenas o comportamento importa?

A resposta é não, qualificação e comportamento, são um conjunto entre os principais critérios avaliados pelas empresas. Com exceção dos cargos de aprendiz, estagiário e os que não exigem experiência prévia, é necessário sempre ter o mínimo de conhecimento requisitado para a função a que está se candidatando.

Por que investir na qualificação de um novo funcionário?

O raciocínio é simples: é possível capacitar tecnicamente um profissional, mas é quase impossível transformar seu comportamento e atitudes. E esse último é um trabalho que as empresas não querem ter, principalmente em mercados cada vez mais dinâmicos onde não há tempo a perder. Encontrar um profissional que compartilhe das mesmas ideias e valores da organização, é muito mais desafiador do que encontrar alguém que tenha apenas o conhecimento técnico para a função.

Quais são as consequências de deixar o comportamento em segundo plano?

Dentre os cinco principais motivos que levam as empresas a demitirem, quatro estão relacionados com problemas comportamentais do profissional. Ou seja, dependendo do cargo, pode não adiantar muito a pessoa ter cursado faculdade de primeira e falar três idiomas, se suas atitudes deixarem a desejar.

Para mais dicas, informações e oportunidades, fique ligado em nosso blog e em nossas redes sociais:

👍https://www.facebook.com/luandrerh

👍https://www.instagram.com/luandrerh

👍https://www.linkedin.com/company/luandrerh